Ative a sua inteligência Emocional

Ative a sua Inteligência Emocional

O trabalho é potencializado pelo emocional, entenda como garantir que este esteja a seu favor.

Quando falamos de Inteligência Emocional é comum vermos em algumas rápidas pesquisas no Google, dicas muito tradicionais sobre o assunto. Na maioria delas, existe a máxima de que é preciso dividir vida pessoal e profissional. E o FaçaAgora! está aqui para desmistificar isso e proporcionar exercícios práticos e eficientes sobre a aprendizagem emocional.

Podemos começar com justamente essa missão utópica. Imagine um profissional que trabalhe diariamente atendendo telefone e resolvendo problemas de clientes, tarefa que exige paciência e muita cautela para ouvir e tratar das solicitações. Porém, ele acaba de sofrer uma perda importante em casa.

Como você acredita que vai ser o desempenho desse profissional quando voltar ao trabalho ?

Somos um só, nossas atitudes e emoções vão refletir em nossas atividades, não importa o ambiente. Para isso, temos alguns exercícios e focos diferentes para destacar.

Autoconhecimento

Para prática do autoconhecimento, é preciso aguçar a habilidade da observação. Nesse sentido entender quais as nossas principais reações em algumas situações é o primeiro passo. Existem aqueles que tornam isso parte da rotina, afinal é um processo constante e que demanda tempo.

No caso, te convido a realizar essa prática durante uma semana por mês e então você pode promover realizar com mais frequência. A ideia é reservar um pequeno tempo ao dormir para escrever todos os sentimentos, ou reações que teve durante o dia.

Podendo perceber então, quais são as mudanças de humor e quando são os momentos que se repetem, para poder evitar ou contornar qualquer momento mais sensível ou delicado.

Motivação

Agora que já temos uma forma para observar nossas reações diante das diferentes situações, passamos para a energia que faz a gente dar continuidade às tarefas diárias.

Existem quatro pontos principais de gatilhos motivacionais, o intuito é descobrir quais deles são ativados para cada uma das tarefas realizadas cotidianamente.

  1. Individual: Muito associado a atividades como estudos, ou práticas espirituais, esse primeiro gatilho estimula o crescimento próprio, seja a nível profissional ou a nível pessoal. Onde a motivação para realizar a tarefa é exatamente o desenvolvimento individual;
  2. Equipe: Neste segundo caso, o gatilho motivacional envolve as pessoas que trabalha ou convive com você. Tarefas importantes para uma entrega em conjunto, ou que é passo intermediário de um processo muito maior. Onde o estímulo para finalizar as tarefas é justamente a entrega para todo o time;
  3. Cliente: Difere-se do item anterior no aspecto de entrega. Enquanto para o gatilho de equipe a entrega e tarefa é definida para pessoas que estão na mesma posição que a nossa. Para o Cliente associa-se o estímulo da entrega pensando em quem vai receber o produto final.
  4. Instituição | Organização: O último gatilho envolve justamente o fim do produto. Definido pela instituição, empresa, ou propósito organizacional. Estar motivado e estimulado com o porquê daquela tarefa ou atividade existir.

Agora a sua missão é atribuir um gatilho para cada uma das suas tarefas, e assim, quando a disposição não estiver a seu favor, relembre qual dos gatilhos comove a tarefa em questão.

Na prática

Se formos resumir o conteúdo de maneira a promover a inteligência emocional durante o desempenho das atividades, temos:

A observação para diagnosticar os momentos que humor mais favorece; Se atentar qual o estímulo envolve cada uma das atividades cotidianas

E assim você consegue manipular suas tarefas durante o dia, semana e mês, respeitando seu emocional e potencializando a eficiência e desempenho.

Bora Executar!

O que são hard skills e como desenvolvê-las

O que são hard skills e como desenvolvê-las

Saiba como potencializar as competências técnicas mais importantes para a sua área e se destacar no mercado de trabalho

Aquilo que você usa para te descrever no seu currículo, em geral, resumem bem todas as suas Hard Skills. Isso significa, que elas se referem as suas competências técnicas, o conhecimento que você tem para desenvolver uma atividade ou para ocupar um cargo.

São elas que inicialmente te auxiliam para progredir em um processo seletivo. Quanto mais preparada a pessoa estiver para ocupar uma vaga, mais chances tem de que ela passe nas etapas em que isso é avaliado.

Aproveite para conferir Como desenvolver as Soft Skills

Por isso, confira as principais fontes de se qualificar!

Cursos Extracurriculares

Além da sua graduação, os recrutadores também avaliam os cursos extracurriculares que você fez ao longo da sua vida.

Eles dizem muito sobre o quanto você se aprofundou em assuntos fora da sala de aula e se diferenciou e está mais preparado que os outros candidatos.

E realizando uma boa curadoria, você pode garimpar cursos mais em conta e até gratuitos. 

Experiências Acadêmicas e Profissionais

Além da sala de aula, busque projetos de extensão, pesquisa, empresa júnior e estágios. Essas experiências te farão ter competências técnicas e conhecimentos que muitas vezes não são adquiridos dentro da sala de alta, mas são altamente requisitadas no mercado de trabalho. 

E diferentemente do mercado, esses processos ainda trabalham desempenham, e não apenas o fit com a vaga como em muitas das novas empresas seniores. Ou seja, nessa situação, só depende de você, mesmo. 

Trabalhos Voluntários

Muitas vezes você pode ajudar entidades e pessoas e alinhar isso à qualificação de competências técnicas e comportamentais. Por isso, os trabalhos voluntários são tão valorizados por recrutadores no currículo.

E se você durante a faculdade conseguiu outra maneira de desenvolver as suas Hard Skills, conta pra gente comentando aqui em baixo.

Soft Skills: o que são e quais as mais procuradas

Soft Skills: o que são e quais as mais procuradas no mercado?

Entenda de uma vez por todas quais são as habilidades comportamentais mais valorizadas no mercado de trabalho

Com certeza você já ouviu falar que as organizações contratam pelo currículo e demitem pelas habilidades comportamentais e de relacionamento.

Isso quer dizer que capacidades técnicas são em muitas vezes responsáveis principais pela sua contratação, mas são as suas características comportamentais que vão definir sua trajetória dentro da empresa.

Aproveite para conferir quais os cuidados ao se posicionar no mercado de trabalho

Quando se avalia um currículo, normalmente a primeira etapa dos processos seletivos, você tem insumos sobre os conhecimentos acerca das atividades que o candidato está concorrendo. Essas são as Hard Skills. Por exemplo:

  • Graduação;
  • Cursos extracurriculares;
  • Experiências profissionais.

No entanto, isso não basta. Nas etapas seguintes, como dinâmica e entrevista, serão muito mais avaliados os traços da sua personalidade. Ou seja, suas Soft Skills.

Descubra como se preparar pra dinâmicas em grupos e entrevistas

Essas são fundamentais dentro do mercado de trabalho, principalmente em cargos de liderança. Isso ocorre porque neles a principal função do líder é lidar com outras pessoas, suas emoções, e mais que isso, com o seu próprio comportamento.

Segundo a revista Forbes, as Soft Skills mais requisitadas pelo mercado são:

  • Comunicação eficaz;
  • Pensamento crítico;
  • Resiliência;
  • Empatia;
  • Liderança;
  • Ética no trabalho.

Conheça essas, e outras habilidades que o mercado do futuro espera de você, visitando o E-book do FaçaAgora!

Mas antes de saber como evoluir nessas Soft Skills, é preciso entender como é o processo macro de desenvolvimento pessoal e profissional.


Inteligência Emocional

Ter pensamento crítico e saber reconhecer suas emoções e sentimentos com facilidade é uma grande habilidade. Por meio desse processo, que as pessoas conseguem tomar as melhores decisões e não agir impulsivamente.

Exemplo: na segunda feira, Carla e Márcio estão fazendo um projeto para ser entregue sexta. Desde então, que ela está sobrecarregada, enquanto ele não tem um bom desempenho. Quarta de manhã, Carla se irritou com Márcio, o tratando mal. Nesse mesmo dia, ela voltou para casa e refletiu sobre a situação, ficando mais calma e entendendo seus erros. Com isso, na quinta a tarde, eles conversaram e se entenderam. 

Há, usualmente três níveis de emoção:

  • Quanto tempo ela demora para se manifestar? Essencialmente, 3 dias: segunda, terça e quarta.
  • Em quanto tempo ela se manifesta? Apenas um dia: da manhã de quarta até o fim do dia.
  • Quanto tempo ela demora para se equilibrar novamente? Do fim do dia de quarta até quinta a tarde.

Perceba que não só a quantidade de dias é importante nesta situação, mas também os horários em que isso aconteceu. A manifestação ocorreu durante o dia de trabalho, sem um tempo longo de descanso, diferentemente do tempo de equilíbrio que envolveu uma noite de sono. 

Se conheça para que em situações negativas, consiga reduzir o tempo entre a manifestação da emoção e o equilíbrio.

Aplicação de Feedbacks

Na maioria das vezes, os Feedbacks tratam de questões mais comportamentais do que técnica. Eles são a melhor fonte para você entender quais são seus pontos de melhoria.

Por isso, os escute atentamente, mapeie como você pode melhorar no seu dia a dia, o quanto antes e pergunte aos seus colegas de trabalho se notaram uma evolução.

Potencialize sua maneira de dar FeedBacks

#BoraExecutar
  1. Mapeie como você reagiu em um situação passada nos três níveis de emoção;
  2. Elenque o que você gostaria de ter feito diferente;
  3. Alinhe esses pontos de melhoria aos feedbacks que recebe;
  4. Materialize esses pontos de melhoria em ações do dia a dia.

Como fortalecer e desenvolver uma organização

Como fortalecer e desenvolver um organização

Tudo o que você precisa saber hoje para desenvolver a sua organização, seu setor ou até mesmo o cargo que ocupa

Se você é o tipo de pessoa que se incomoda com a estagnação e busca sempre um desenvolvimento do curto ao longo prazo com constância, este texto é pra você!

Nele vamos falar sobre como você pode, no dia a dia, estabelecer referências para monitorar e promover o desenvolvimento na sua organização ou na que trabalha.

Por aqui, você vai encontrar:

  1. Mentalidade de desenvolvimento
  2. Funil de funções
  3. Tempo de rampagem
  4. Boas práticas para o desenvolvimento

Agora que você tem noção do todo, fique à vontade para ir direto para a parte que mais lhe atenda. Mas atenção! Recomendamos a leitura do texto por completo. Bora lá?

Aproveite para conferir: Como desenvolver pessoas e equipes

Mentalidade de desenvolvimento

Ao iniciar um planejamento estratégico voltado para crescimento organizacional, muitas vezes ficamos presos a números. Esta medida, além de ser cada vez mais imprevisível e difícil de controlar no longo prazo, pode gerar desengajamento e falta de entendimento dos colaboradores da empresa.

O foco aqui não é eliminar o planejamento estratégico focado em objetivos e indicadores que descrevem a tendência de crescimento ao longo do tempo, mas adicionar o Comportamento como visão de longo prazo de todos da organização. Mais do que números, as pessoas precisam entender o que é esperado dela no dia a dia.

A principal noção de sucesso que podemos ter em relação a Comportamento é que cada pessoa trabalhe para que a organização não precise dela o quanto antes. Não entenda mal, o foco não é trabalhar com demissões constantes, mas sempre adicionar funções que promovam o crescimento da empresa e do colaborador. Caso esta mentalidade não esteja latente, temos funções que se repetem ao longo do tempo da mesma forma e aquela pessoa fica estagnada em um mesmo serviço que ocupa o mesmo número de horas dela durante a semana.

Um exemplo: Se uma das responsabilidades de uma pessoa é a realização de relatórios diários de desempenho e ela gasta cerca de 1 hora para compilar por dia, este tempo deve ser reduzido ao máximo para que ela possa fazer cada vez mais funções voltadas para o crescimento. Neste caso, como pode ser feito uma automação ou padronização neste mesmo relatório para se tornar mais efetivo ou preenchido em um tempo menor de horas?

 

Funil de funções

Este é o momento de trazer o idealismo do primeiro ponto para a prática. Mas antes, quais seriam as consequências se você não aparecesse na empresa para trabalhar por 1 mês? As pessoas saberiam o que precisa ser feito na sua ausência para manter o resultado gerado por você?

Se existe esta centralização de escopo de trabalho tão forte capaz de gerar uma ruptura no desenvolvimento constante em sua ausência, estamos indo na contramão dos objetivos com este texto. Para trabalharmos o fortalecimento e desenvolvimento organizacional é preciso aumentar cada vez mais o esforço estratégico e reduzirmos o esforço operacional.

Um exemplo: Com o mesmo relatório do item anterior, você gastaria, no mínimo, 5 horas semanais. Caso fosse implementada uma ferramenta para automação e aceleração desse processo que reduzisse este tempo para 30 minutos, restaria 4,5 horas na semana para buscar e validar oportunidades de crescimento para empresa.

 

Você pode fazer isso de 3 formas:

ANALOGIA ESPECIALIZADA:

Consiste em analisar como é feito a mesma função em um setor análogo. Alguns exemplos:

  1. Como melhorar o fluxo de pessoas em fila no refeitório da empresa? Basta analisar como é feito este processo em embarques de aeroportos ou filas de supermercados. 
  2. Como melhorar o home office? Basta entender como é a divisão de tempo e relacionamento de astronautas lançados para o espaço. 
BENCHMARKING:

O foco aqui é na análise da concorrência de processos que você executa atualmente. Como é feito o que você faz hoje no mesmo setor que você ocupa? E, por fim, como você consegue implementar no que faz, trazendo melhorias?

 

DESENVOLVIMENTO AOS PARES:

Se houver alguém dentro da empresa que exerce funções próximas às suas, você pode fazer um revezamento da responsabilidade de alguma função em que a única regra para poder fazer esta troca é ter implementado alguma melhoria no processo.

Por exemplo: Ao receber a função do relatório, caso eu conseguisse reduzir 20% do tempo para sua execução através de algum processo, eu poderia repassar esta função para a outra pessoa e, assim, sucessivamente.

 

Tempo de rampagem

O termo veio do setor de vendas, mas consegue se replicado em todo e qualquer departamento. É o tempo que uma pessoa entende o que precisa ser feito e começa a refletir o resultado esperado. Ou seja, para implementar estas etapas de fortalecimento e desenvolvimento organizacional, levará um tempo de acordo com a cultura de execução da sua empresa para que as pessoas assimilam todo o processo.

Por isso, seja transparente com cada pessoa e consigo mesmo estes 3 pontos principais:

  1. Qual a noção de sucesso? Por aqui, entenda onde você quer chegar e deixe transparente onde sua equipe também deve chegar.
  2. Qual o caminho devo seguir? Foque no que você e sua equipe devem fazer para atingir esta noção de sucesso determinada.
  3. Quando será feito o acompanhamento de efetividade? É recomendado uma revisão ao menos bimestral dos planos de ação adotados e resultados alcançados para reajustar a rota. Além disso, é importante que seja realizado ao menos 3 contatos ao longo da semana com a sua equipe para uma micro validação.
 

Boas práticas para o desenvolvimento

Para finalizar e trazer mais insumos práticos para você e sua organização, trouxe dois pontos para você começar a aplicar a partir de hoje.

NÃO FAÇA DAS REUNIÕES UM GARGALO

Reuniões funcionam como uma data que eu preciso esperar chegar para resolver um problema e isto reflete em pautas longas e atraso no processo. Ao surgir um problema, deve ser resolvido o quanto antes. Por isso, não faça das reuniões um ponto marcado para trabalhar os problemas da semana. Pois neste caso, eles devem ser trabalhados assim que surgem.

Baixe agora o e-book de Reunião Produtiva.

 

MAIS VALIDAÇÕES E MENOS HIPÓTESES

O foco por aqui está em estimular MVPs e não ideias. Só saberemos se uma ideia é realmente efetiva se ela for implementada na prática. Por isso, antes mesmo de travar ideias pelo julgamento através de experiência e histórico, é importante rodar esta mesma ideia em escala menores para medir na prática sua efetividade e, quem sabe, abrir portas para a inovação.

Agora que você já sabe como fortalecer e desenvolver sua organização, tire suas ideias do papel e comece a executar hoje mesmo! Conte com a gente e #BORAEXECUTAR!