Como definir o salário ideal para cada colaborador?

Conheça os principais critérios que sua empresa deve levar em consideração na hora de definir o salário de um colaborador

 

Salários e benefícios são muito importantes para atrair e reter bons profissionais em sua empresa. Mas o cálculo para encontrar o valor do salário ideal para cada colaborador nem sempre é tão simples, uma vez que existem vários fatores a serem levados em consideração. 

Pegue seu café e venha conhecer melhor sobre os principais critérios, de forma a gerar remunerações justas e estratégicas para sua equipe! 

 

 

Média salarial do mercado

Um dos principais fatores a serem considerados ao calcular o salário ideal para cada colaborador, é a pesquisa de média salarial praticada no mercado. Caso a sua empresa ofereça um salário abaixo do mercado, ela pode ter dois problemas: só atrair candidatos de qualificação inferior, ou então ter seus colaboradores deixando a sua empresa na primeira oportunidade para irem para outra em que são melhor compensados.

A pesquisa de média salarial deve ser feita levando em consideração cargos equivalentes em empresas de setor e porte semelhante ao de sua empresa na sua região. Assim, você pode garantir que a proposta da sua empresa estará condizente com o mercado.

 

Média salarial interna

Após fazer a pesquisa de média salarial de mercado, é interessante também que a remuneração do colaborador esteja de acordo com a média salarial dos demais colegas da empresa, para evitar desconfortos. Caso você defina o valor levando em consideração apenas critérios externos, pode acabar gerando um desequilíbrio.

Nem sempre é possível nivelar todos os cargos e salários, mas é importante buscar certo equilíbrio entre os cargos que possuem níveis similares de responsabilidade. Até para evitar uma desvalorização do capital humano, que afetaria o clima organizacional e a motivação da equipe.

Carga horária de trabalho

Para definir o salário ideal de cada colaborador, também é importante levar em consideração a quantidade de horas semanais que a vaga demanda de jornada de trabalho. Sendo assim, uma jornada de 20, 30, 40 ou 44 vai exigir remunerações diferentes. 

Além das horas em si, deve ser levado em consideração o regime de contratação do colaborador. Se for estágio, temporário, freelancer, terceirizado, CLT ou PJ (pessoa jurídica), tudo isso influencia o cálculo. 

 

Incidência de impostos

De acordo com o regime de contratação do colaborador (citado no tópico acima), além do valor do salário em si do profissional, a empresa também arca com outros custos atrelados à contratação. Afinal, a legislação brasileira determina o pagamento de alguns encargos sociais e trabalhistas. Os principais são:

  • FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço)
  • Contribuição Previdenciária para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social)
  • IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte)
  • RAT (Risco Ambiental do Trabalho)

 

Nível de senioridade 

Outro critério a ser levado em consideração na hora de definir o salário ideal para cada colaborador é o nível de senioridade sendo buscado para a vaga. Ou seja, o nível de experiência de mercado que aquele profissional já deve ter adquirido em trabalhos anteriores para agregar uma perspectiva mais profunda na sua empresa. 

Um profissional mais sênior custa mais caro para a empresa, mas em contrapartida ele traz uma expectativa de maior desempenho e excelência em sua função.

 

Grau de escolaridade exigido na vaga

Assim como o nível de senioridade é importante na definição do salário ideal, o grau de escolaridade exigida para a vaga também é. A formação educacional e acadêmica do profissional. 

Cargos que exigem uma formação mais básica, como ensino médio ou técnico, tem uma remuneração menor. Já cargos que exigem formação de pós-graduação como Doutorado e MBA (Master of Business Administration), por exemplo, necessitam de uma remuneração mais alta por parte da empresa.

 

Pacotes de benefícios

O salário não é a única fonte de compensação ao profissional pelo seu trabalho. Existem diversos benefícios que as empresas podem oferecer que agregam e muito o valor do salário. Alguns exemplos são:

  • Plano de saúde e odontológico;
  • Academia;
  • Vale alimentação;
  • Vale transporte;
  • Descontos nos produtos vendidos;
  • Auxílio creche;
  • Participação nos lucros;

Todos esses benefícios devem ser levados em consideração no cálculo do salário ideal, e vale a pena a empresa analisar a possibilidade de oferecer mais benefícios aos seus colaboradores. 

Plano de cargos e salários

Se a sua empresa estiver buscando uma forma de encantar novos colaboradores e reter talentos, garantir um bom plano de cargos e salários é essencial. Por isso, o FaçaAgora! oferece um programa para auxiliar empresas nessa construção, gerando um entendimento sobre o cenário atual x o ideal, criando uma estruturação de cargos e salários e definindo um modelo de crescimento interno. Se quiser saber mais detalhes, clique no botão e #BoraExecutar!

Recommended Posts