Você tem o que é preciso para liderar equipes?

Você tem o que é preciso para liderar equipes?

Perguntas que você deve se fazer para identificar seu potencial de liderança

Será um texto breve e cirúrgico que te auxiliará a questionar tudo aquilo que é preciso como um passo importante para sua trajetória dentro de uma empresa. Mas atenção, não existe uma receita de bolo. Estas perguntas são padrões que observamos ao longo destes anos de trabalho e são direcionadores que toda liderança deve ter. #BoraExecutar?

PERGUNTA 01: O que é inegociável na empresa?

Existem coisas dentro da empresa que são possivelmente negociáveis como: Um adiantamento do pagamento, alteração de alguns prazos e forma de se comunicar. Mas existem coisas que não podem nunca serem quebradas. Para estas coisas, damos o nome de Valores e estão presentes na cultura organizacional.

Para deixar ainda mais claro, os Valores não devem ser apenas um papel de parede bonito na empresa ou um acessório para o site. Eles devem refletir na prática o comportamento que todas as pessoas da empresa devem ter, sendo inegociável a quebra de qualquer um deles. Se você quer ser uma boa liderança, deixe isso claro para a equipe dia após dia e nunca (nunca mesmo!) negocie um Valor.

PERGUNTA 02: Você e sua equipe sabem o que estão querendo alcançar?

Assim como a Cultura da empresa representada pelos Valores da pergunta acima, toda liderança deve focar igualmente na estratégia a ser seguida. Para isso, não basta apenas você saber o que deve ser alcançado e como deve ser feito. A equipe precisa saber a cada dia se está mais próxima ou mais distante de alcançar o objetivo comum.

Não basta apenas ter uma gestão a vista. É preciso que você desenvolva nas pessoas com quem trabalha o hábito de colocar na sua rotina apenas aquelas funções que contribuem para os objetivos que precisam ser alcançados. Para isso, a utilização de indicadores, lembretes e estímulos devem ser presentes diariamente.

PERGUNTA 03:  Qual a autonomia que uma pessoa tem na empresa?

Esta pergunta divide dois grupos de lideranças clássicas. O primeiro grupo é aquele que concentra todas as atividades pra si, pois acredita que fará com mais agilidade ou até mesmo maior qualidade. O segundo grupo é aquele que “Delarga” ao invés de delegar (ou seja, só joga no seu colo, ao invés de acompanhar).

Veja bem, estes são dois extremos e exemplos que não devem ser seguidos. Você precisa estar em contato pelo menos três vezes na semana com a pessoa que lidera para direcionar tarefas, dar suporte e acompanhar o desenvolvimento. Não espere uma pessoa entrar em contato com você para dar suporte. É papel da liderança trabalhar com atenção no desempenho e engajamento de cada pessoa dentro da empresa.

PERGUNTA 04: O que você faz para contribuir no futuro de quem você lidera?

Lideranças tem uma responsabilidade muito grande com seus liderados e lideradas. Uma simples ação, uma palavra de motivação ou tarefa delegada pode definir todo o futuro da carreira profissional daquela pessoa. Se você não busca o desenvolvimento das pessoas que estão junto de você, provavelmente outro local o fará e o seu turn over irá aumentar.

Para trabalhar neste ponto, você deve conciliar desafios com motivação. Se pergunte como você pode fazer para que aquela pessoa saia da zona de conforto dela e esteja sempre aprendendo e se desenvolvendo através de tarefas no dia a dia. E, para fechar, desenvolva sua escuta ativa para perceber o que você pode ofertar para aquela pessoa se desenvolver ainda mais rápido.

PERGUNTA 05: Quais são os momentos que você está verdadeiramente junto com sua equipe?

Você seria fiel a uma liderança que te pede para fazer algo muito chato e trabalhoso enquanto ela está fazendo atividades simples e rápidas? Provavelmente não, certo?! A liderança é aquela pessoa que chega primeiro e é a última a sair. Mas atenção, não estou falando de radicalismos, até porque podem haver escopos de trabalho bastante diferentes entre liderança e liderados. O ponto que quero trazer é: Além de exigir qualidade, excelência, velocidade e resultado, você também coloca a mão na massa junto com sua equipe para conquistar estes objetivos?

Busque ter coerência entre aquilo que você busca, exige e realiza na prática! E esteja junto com a sua equipe para executar sempre que possível.

PERGUNTA 06: O que você aprendeu hoje? (Learning mode on)

Esta é a pergunta mais simples e uma das mais poderosas deste texto. Não adianta você querer pilhas de livros sobre liderança, assistir a coletâneas de cursos e inúmeras playlists de podcasts se você não colocar em prática o quanto antes. Perceba que a pergunta não é o que você conheceu hoje, mas sim o que aprendeu.

Aprender é a capacidade de conhecer algo e converter em ação prática, trazer algo para sua vida que foi validado em ação. Seus liderados não querem saber o quão bom foram os livros que você leu ou que podcast incrível que você escutou outro dia. Nada disso será útil se você não começar a colocar em prática tudo que conhece!

Não espere a segunda-feira para colocar tudo o que leu neste texto em prática!

Para facilitar, estamos deixando três sugestões do que você pode fazer hoje:

  1. Marque uma reunião de equipe e deixe claro quais são as regras inegociáveis e os objetivos a serem buscados.
  2. Execute alguma tarefa junto com alguma pessoa que você lidera e se atente em como você pode contribuir positivamente para o futuro dela.
  3. Expanda esta lista com mais 2 coisas que você irá aprender ao invés de apenas conhecer.
  4. Baixe o nosso e-book sobre Alavancamento de Carreira e #BoraExecutar!
 

Descubra como ter uma equipe de alta performance

O que compõe uma equipe desse perfil

O básico que você deve fazer ao invés de procurar fórmula pronta

Você já se perguntou qual a diferença de uma equipe de alta performance para uma equipe que atinge resultados medianos? Você acreditaria se eu te dissesse que as equipes de alta performance não são formadas por pessoas excelentes e que fazem tudo com perfeição?

Na realidade, equipes de alta performance são aquelas que conseguem superar as expectativas e atingirem resultados que não eram esperados. Além disso, são pessoas que conseguem substituir no seu dia a dia a perfeição e a excelência por constância e esforço, pois as duas primeiras são apenas consequência das duas últimas.

Eu não recomendo, mas caso queira parar sua leitura por aqui, lembre-se que seu foco deve ser extrair constância e esforço de você e das pessoas que estão com você. O resultado é apenas uma consequência que, com o tempo, será exponencial.

Agora se você optou por continuar neste texto, vamos aos planos de ação. Separei 4 padrões para você entender e aplicar hoje mesmo em você e em sua equipe.

PADRÃO N°01: Busque o esforço máximo, mas não se esqueça de gerar suporte

Este é um dos principais papel da liderança, desafiar as pessoas que estão ao seu redor a sempre irem para o próximo nível.

Você deve almejar, tanto para você, quanto para quem está ao seu redor uma superação constante dos limites atuais. Mas atenção, não estou dizendo que vocês devem trabalhar mais, ser uma pessoa ocupada não é sinal de esforço. O que vocês devem fazer é empregar o tempo que vocês possuem em projetos que realmente os tirem da zona de conforto para aumentar o aprendizado e desenvolvimento de cada pessoa. Quanto às atividades que não se enquadram neste nicho, você deve automatizar ou terceirizar o mais rápido possível.

PADRÃO N°02: Mais ação e menos motivação

É claro que a liderança de uma equipe deve motivar as pessoas que estão trabalhando na empresa e isso não deve nunca ser negociado! Não é sobre a motivação organizacional que estou falando. Aqui o foco está na automotivação, a forma com que cada pessoa se motiva. Equipes de alta performance são aquelas que entendem que não precisam gostar ou querer fazer algo que precisa ser feito, elas apenas fazem. Um grande erro é acreditar que sempre será preciso estar motivado para fazer algo. Na verdade, a motivação é a última etapa do processo. Vejamos um exemplo:

Você acredita que alguém acorda de manhã cedo e vai a academia simplesmente por estar motivada para movimentar vários pesos para cima e para baixo por cerca de 60 vezes cada um? Esta não é a motivação daquela pessoa. O que a motiva de verdade são as consequências daquela ação: Definição corporal, ganho de massa e resistência, por exemplo. Por isso, equipes de alta performance entende que existem tarefas muito chatas e que precisam ser feitas, pois o ciclo correto é: Ação -> Resultado -> Motivação -> Volta para a ação.

PADRÃO N°03: Menos ideias e mais ações

E se tiver um fornecedor mais barato? E se os clientes não gostarem? E se demorarmos tempo demais? Espere um pouco! Equipes de alto desempenho não ficam buscando problemas o tempo todo através destes tipos de perguntas hipotéticas. Na verdade, equipes de alta performance entendem que os problemas e imprevistos vão acontecer, mas se preocupam em fazer o melhor que pode no seu trabalho, pois sabe que o restante não pode ser controlado.

Por isso, não deve ser questionado se uma ideia é boa ou ruim, mas se o risco dela é alto ou baixo. Se algo deu certo no passado, não quer dizer que continuará dando para sempre. Por isso, novas formas de serem trabalhadas são sempre bem vindas e, por isso, o risco que deve ser considerado. Se algo tiver alto risco, deve ser testado em menor escala e impacto, se algo tem baixo risco, deve ser implementado já!

PADRÃO N°04: Ponto de Apoio

Momentos de preguiça, de desmotivação e de medos irão surgir em qualquer equipe e acabarão afetando os três padrões anteriores. Porém, equipes de alta performance sempre tem o que chamamos de carregadores. São aspectos na cultura que os auxiliam a retomar o foco de todos os padrões. Pode ser uma reunião, um vídeo inspirador, um objetivo compartilhado, momentos de trabalhar em conjunto ou até mesmo um artefato como acessório ou uma mascote.

 

Você chegou ao fim desta leitura, mas para garantir que você vai executar todos os pontos, confira a lista de planos de ações que separei para você começar a implementar o que leu:

  1. Dê o seu máximo em tudo que você está fazendo. Seja profissional ou pessoal, mas não esqueça que dar o máximo é diferente de ser uma pessoa ocupada!
  2. Pare de julgar se uma ideia é boa ou ruim para ser implementada. Implemente todas que possível e passe a julgar se o risco é alto ou baixo para ajustar o impacto gerado na validação.

#BoraExecutar?

O que são hard skills e como desenvolvê-las

O que são hard skills e como desenvolvê-las

Saiba como potencializar as competências técnicas mais importantes para a sua área e se destacar no mercado de trabalho

Aquilo que você usa para te descrever no seu currículo, em geral, resumem bem todas as suas Hard Skills. Isso significa, que elas se referem as suas competências técnicas, o conhecimento que você tem para desenvolver uma atividade ou para ocupar um cargo.

São elas que inicialmente te auxiliam para progredir em um processo seletivo. Quanto mais preparada a pessoa estiver para ocupar uma vaga, mais chances tem de que ela passe nas etapas em que isso é avaliado.

Aproveite para conferir Como desenvolver as Soft Skills

Por isso, confira as principais fontes de se qualificar!

Cursos Extracurriculares

Além da sua graduação, os recrutadores também avaliam os cursos extracurriculares que você fez ao longo da sua vida.

Eles dizem muito sobre o quanto você se aprofundou em assuntos fora da sala de aula e se diferenciou e está mais preparado que os outros candidatos.

E realizando uma boa curadoria, você pode garimpar cursos mais em conta e até gratuitos. 

Experiências Acadêmicas e Profissionais

Além da sala de aula, busque projetos de extensão, pesquisa, empresa júnior e estágios. Essas experiências te farão ter competências técnicas e conhecimentos que muitas vezes não são adquiridos dentro da sala de alta, mas são altamente requisitadas no mercado de trabalho. E diferentemente do mercado, esses processos ainda trabalham desempenham, e não apenas o fit com a vaga como em muitas das novas empresas seniores. Ou seja, nessa situação, só depende de você, mesmo.

Trabalhos Voluntários

Muitas vezes você pode ajudar entidades e pessoas e alinhar isso à qualificação de competências técnicas e comportamentais. Por isso, os trabalhos voluntários são tão valorizados por recrutadores no currículo. E se você durante a faculdade conseguiu outra maneira de desenvolver as suas Hard Skills, conta pra gente comentando aqui em baixo.